Morre Policial baleada acidentalmente

O 11º Batalhão de Polícia Militar confirmou, no final da tarde de terça-feira, (05), o falecimento da policial militar Aeonã da Silva Freitas, 25 anos, que foi vítima de disparo acidental no interior do quartel, após o encerramento da atividade de policiamento.

Ela estava internada em Belo Horizonte, no Hospital João XXIII. O corpo chegou na quarta-feira a Manhuaçu, onde foi levado durante todo o dia. O sepultamento está previsto para quinta-feira, às 9 horas, no Cemitério Campo das Flores.

Em nota, o Comandante Geral da Polícia Militar, Coronel Helbert Figueiró de Lourdes, manifestou “as nossas sentidas condolências aos familiares, encontrando-se a Polícia Militar enlutada pela trágica perda, certa de que os sábios caminhos de Deus trarão o conforto a todos que necessitam neste momento”.

A soldado Aeonã da Silva Freitas estava na fase final do curso de formação de soldados, cuja formatura é no dia 15 de junho.

Fato: 

De acordo com o registro policial, o fato aconteceu por volta de 1h da madrugada de sábado, 26/05. Testemunhas contaram que um micro-ônibus com 22 soldados de 2ª classe parou em frente a sala da intendência, onde ficaram em fila. De dois em dois, eles entraram no local para desarmarem.

Consta no registro que a soldado entrou junto com outro militar. Ele foi primeiro até a caixa de areia e entrou uma pistola 40, uma tonfa e uma algema. Em seguida, foi a vez da policial. Segundo o policial responsável pela intendência, a vítima desmuniciou o carregador da arma e a entregou para ele. Neste momento, um tiro foi disparado.

A militar foi atingida no rosto. Ela foi encaminhada para uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da cidade. Em seguida, foi transferida de helicóptero para o Hospital João XXIII.

Fonte: http://www.portalcaparao.com.br/noticia/27443/policial-aeona-nao-resiste-aos-ferimentos-e-morre-em-bh

 

Um comentário em “Morre Policial baleada acidentalmente

  • 7 de junho de 2018 em 12:56
    Permalink

    Desmuniciou e o tiro ocorreu assim mesmo? Se a história está bem contada, fazer o quê né?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *