Câncer de Pele: Cuidado redobrado no verão

O verão e as altas temperaturas faz com que milhares de pessoas em todo o país busquem água para se refrescar. Vale piscina, praia, lagoa, cachoeira e até mesmo uma simples ducha para amenizar o calor. O problema é que o excesso de exposição ao sol em horários contra-indicados e a falta de proteção contra os raios ultravioleta são os principais fatores que levam ao câncer de pele, o tipo de tumor com maior incidência no Brasil. O Instituto Nacional de Câncer (Inca) estima que em 2016 ocorram 175.760 novos casos no país.

Existem três tipos principais de câncer de pele, dos quais o melanoma é o menos freqüente, porém mais agressivo, com grande tendência de se disseminar para outros órgãos. Assim, como em qualquer doença, é de grande importância que se conheçam os fatores que predispõem ao desenvolvimento do câncer pele para que ele possa ser prevenido.

Áreas expostas. De acordo com o oncologista Amândio Soares Fernandes, diretor do grupo Oncomed-BH, cerca de 90% dos casos ocorrem na face, no pescoço, nas mãos e nos braços. “É consenso que os principais fatores de risco para o desenvolvimento do câncer de pele são a exposição excessiva ao sol e a cor da pele, o que explica sua grande incidência nas áreas do corpo que ficam expostas ao sol e em pessoas de pele clara, que se queimam com facilidade e nunca se bronzeiam”, afirma Fernandes.

Juventude. O médico destaca que, embora o câncer de pele seja mais comum em adultos, cerca de 75% da radiação solar (raios ultravioleta) recebida durante a vida ocorre nos primeiros 20 anos. “Os estudos científicos mostram que a exposição excessiva ao sol durante a infância e a adolescência aumenta muito o risco de câncer de pele. As conseqüências dessa exposição solar, freqüente e prolongada, só se manifestam com o passar do tempo, com o surgimento de manchas na pele e do câncer, na maioria das vezes após os 40 anos”, explica.

Efeitos cumulativos. Os danos na pele ocorrem a cada exposição ao sol, tendo efeitos maléficos cumulativos. Os raios solares são contra-indicados durante o período das 10h às 15h (das 11h às 16h no horário de verão). “Quando esta for inevitável, é aconselhável proteção com roupas, chapéus e filtro solar com Fator de Proteção Solar (FPS) 15, no mínimo, preferencialmente de amplo espectro com cobertura para raios ultravioleta A e B. Entretanto, deve estar claro que os filtros solares protegem dos raios solares, mas não têm o objetivo de prolongar o tempo de exposição solar”, ressalta o diretor do grupo Oncomed-BH.

Ainda segundo ele, o protetor solar deve ser aplicado várias vezes ao dia, de acordo com o grau de exposição à radiação solar e sempre após a pessoa ter entrado em contato com a água ou ter transpirado muito.

 Artificial. Para o especialista, a exposição a fontes artificiais de raios ultravioleta, como cabines de bronzeamento – muito procuradas por mulheres , deve ser evitada. “Isso ocorre porque esses aparelhos oferecem os mesmos riscos que a luz solar natural para o desenvolvimento do câncer de pele”, pontua o diretor da Oncomed-BH.

Tipos de Câncer de Pele:

Carcinoma basocelular

O carcinoma basocelular é o tipo de câncer menos grave e o mais frequente, surgindo em mais de 95% dos casos. Ele surge como uma mancha rosa na pele que cresce lentamente, como mostra a imagem, sendo mais comum em pessoas de pele clara, depois dos 40 anos.

Onde pode surgir: surge quase sempre em regiões de muita exposição solar, como rosto, pescoço, orelhas e couro cabeludo, mas também pode surgir em outras partes do corpo.

Como se proteger: utilizar protetor solar diariamente com fator de proteção adequado, especialmente durante as horas mais quentes do dia.

Carcinoma espinocelular

O carcinoma espinocelular é o segundo tipo mais comum do câncer de pele e surge mais comumente em homens, embora também possa se desenvolver em mulheres de qualquer idade. Ele tem a forma de um nó que cresce rápido e forma uma casquinha, como mostra a imagem. Este tipo pode aparecer devido à exposição solar, mas também pode acontecer em quem faz tratamentos de quimioterapia e radioterapia ou tem problemas na pele crônicos, como feridas que não cicatrizam ou cicatrizes.

Onde pode surgir: é mais comum em locais expostos ao sol, mas também pode acontecer em áreas cobertas com danos como pele enrugada ou com perda de elasticidade.

Como se proteger: passar protetor solar todos os dias, evitar a exposição ao cigarro e outras substâncias tóxicas. Além disso, deve-se consultar o dermatologista sempre que surgem alterações na pele.

Melanoma maligno

O melanoma maligno é o mais perigoso de todos, ele aparece como uma pintinha escura, como mostra a imagem, que vai se deformando ao longo do tempo. Pode ser fatal se não for identificado precocemente, pois pode se desenvolver rápido e atingir outros órgãos como o pulmão.

Onde pode surgir: freqüentemente se desenvolve nas regiões expostas ao sol ou que sofrem rapidamente queimadura, como rosto, ombros, couro cabeludo ou orelhas, especialmente em pessoas de pele muito clara.

Como se proteger: além de utilizar o protetor solar diariamente é importante fazer um exame constante da pele para observar se alguma pinta, sinal ou mancha muda de características, consultando rapidamente um dermatologista caso isso aconteça.

Fonte: https://www.tuasaude.com/tipos-de-cancer-de-pele/

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *