Polícia Civil continua apurando morte de universitária



Passada uma semana da prisão temporária, por ser suspeito de envolvimento na morte da universitária Suely Cristina Santos, 31 anos, o Professor universitário Sidney Martins Costa, 41 anos, continua na cadeia pública do município de Eugenópolis, onde está em cela separada (curso superior), e sem querer conversa.

Segundo o delegado que acompanha o caso, Dr. Bruno Sales Matos, o suspeito foi chamado para ser mais uma vez ouvido, na segunda-feira (19), mas manifestou a intenção de só falar após mais uma conversa com seu advogado que esteve na delegacia na manhã de sexta-feira (16), e não retornou, deixando marcada uma conversa para esta semana.

Segundo informações o professor é de pouca conversa e muito reservado. Ele não troca conversas com outros detentos da cadeia e poucas vezes se aproximou da grade da cela, passando a maior parte do tempo em sua cama. Na manhã de quarta-feira (21), recebeu uma televisão, a que tem direito por ter curso superior.

O delegado acredita que depois da próxima visita do advogado, o professor deve voltar a falar. “Temos que ouvi-lo várias vezes para ver se o suspeito tem algo que possa nos ajudar a desvendar o crime. Mais muitas pessoas ainda serão ouvidas para sabermos exatamente o que aconteceu na noite da morte de Suely” completou Dr. Bruno.

Enquanto Eugenópolis busca apurar o crime, em Muriaé a situação não é diferente, pois pessoas que podem colaborar com informações continuam sendo ouvidas pelo delegado Dr. Rangel e o agente Flávio Vilhena, na intenção de conseguir mais provas e detalhes que levem a elucidação do crime.

 

VEJA TAMBÉM

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *